Where the wild things are – book

For upper-intermediate to advance learners of English.

Have you ever tried learning or keeping up to a language by reading a children’s book and retelling the story? If not, you should.

Sue

Where the wild things are.

Where The Wild Things Are, Maurice Sendak.

"The night Max wore his wolf suit and made mischief of one kind and another his mother called him 'WILD THING!' and Max said 'I'LL EAT YOU UP!'
WebQuest
  1. Who is Maurice Sendak and why was his book Where the wild things are banned in 1963? Go navigate a bit and find the answer.

The Film x The Book

  1. Watch the film review and then say what the differences between film and book are according to the reviewer.

The book

  1. Listen to a read-aloud session of the book Where the wild things are and prepare to retell the story. Take any necessary notes.
Vocabulary
  • gnashed : gnash means to rub your teeth together really hard (ranger Pt/grincer Fr)
  • mischief: mischief is naughty behaviour. (travessura Pt/bêtise Fr)
  • rumpus: rumpus is a wild party or disturbance.(tumulto Pt/bagarre Fr)

Once upon a time…

2. Record yourself retelling the story. You can use vocaroo.com or any other way of self recording that you know (a podcast, maybe). Find a person to listen and give you feedback.

Action-project

  1. Tell the story to a group of kids learning English. It can be from the school where you are learning English or you can join kids from family. Be creative!

English exercises

Questions to ask the kids . Click here

Conclusion

Would you recommend this book to a child? What about the film? Why?

Sue

avecsue@suelenviana.fr

The Gruffalo

A series of activities that can be used to teach and learn English with The Gruffalo.

Kids N(b)ook

  • Book: The Gruffalo
  • Author Julia Donaldson
  • Illustrator: Axel Scheffler
  • Publisher: Puffin Books
  • Learning target: animals and body descriptions in English.
  • Age: 5 (not afraid child) on +

The Gruffalo is a rhyming story for children written by the English author Julian Donaldson. You can meet the author here.

The book

The mouse said, “Gruffalo, now you see, everyone is afraid of me! But now my tummy is starting to rumble, and my favourite food is … Gruffalo crumble.

If you want to read the book before you buy it you can have a look at here .

Julia Donaldson and her husband Malcon Donaldson reading aloud of the book. They are so fantastic! 🙂

The film

TheGruffalois a 2009 British-German short computer animated TVfilmbased on the 1999 picture book written by Julia Donaldson and illustrated by Axel Scheffler. We have…

View original post 146 more words

Online or offline language courses?

Online courses

Are you considering studying online? What holds you back? Technology phobia? Lack of confidence in the modality? Love for physical contact with teachers and students? Many things may be moving us against the online teaching modality. But, think twice. It doesn’t change much. Online you still have a teacher. Online you still have things to do and study and read. Online you still have chances to meet new people. Online you can still control your time, your money and better yet, you are the one to choose where you are going to get your course; on your sofa, your office, while you’re waiting on a line… Online, you change but learning still takes place.

When you are not that confident in the online modality and if you think you will not learn much, choose a one-on-one online course. A one-on-one online course will be suitably designed for you. You will have a teacher that will be following your steps on learning and guiding your studies by providing you with activities and honest-punctual feedback. You will not be alone facing a screen and listening and reading things that were previously put there for you or anybody else. Your learning will be personalized and student-oriented. The human side is still there. You will have a person to talk to and from whom you will be learning a lot.

Offline courses

Your choice yet is for an Offline course? Great. That is also a good choice. If you have time to do so, go for it. Offline courses offer fantastic learning moments. Whether you are alone with a teacher or taking part in a group, that will help you in many different ways. Not to mention the joy of being able to share experiences. But consider that you will have to have transport and time to move from one place to another. Other than that, learning will also take place. It is up to you.

About certified teachers

Online and Offline courses must have both one objective only: help you achieve your goals. Do not worry much if you have a so-called ‘native’ speaker of English or a ‘non-native’ speaker of that language (or any other). Your worry must be about the professional who will help you achieve your goals. Native or non-native, they all must be real teachers. They must know what they are doing and how to help you learn how to learn that new language. A real teacher, a person who studied to be so, will most appropriately identify your needs and coach your learning actions. A professional in language teaching will do much more than showing you how good are his vocabulary and pronunciation in that language; he or she will teach you and motivate you to get to the top of your ambitions in an organized and honest way.

If learning from a person who was not born in an English Speaking country worries you, trust technology and teachers certification. These days authentic material is abundant on the internet. Certified teachers whether ‘native speakers’ or not, online or offline, should bring language from many different authentic sources such as films, songs, tv programs, journals, news… The world has become a village and you will speak in English with people from many different parts of the globe. Your teacher does not need not be your sole model. Learning from a native speaker should be the least of your worries.

Keep coming back. I love your visit.

Sue

A pre-A1 lesson

How does a teacher prepare his lessons? He studies, ponders, create, analyse and apply. After it sometimes he will smile happily and other times he will cry. – Sue A. Viana

How does a teacher prepare his lessons? He studies, ponders, creates, analyzes, and applies. After it, sometimes he will smile and other times he will cry. – Sue A. Viana

On this post today I wanted to share a lesson prepared for a pre-A1 student. The theme of the lesson was introductions and greetings. The teaching target was pronunciation and spelling of names, forms of greetings, introducing oneself and the alphabet. I am not sharing all the lessons, just the first slides of some. It will let you know what a first pre-A1 (7-14 years old) class with me may be like.

These are photos of some animated slides. They originally have audio and video.

The names I picked from Pre A1 starters test material shared by Cambridge assessment English
The video used here is the one about introductions and greetings from English Singsing and I use it for kids up to 10 years old.

That is it. Thank you for sharing this space with me. Readers are also writers. Let me know what you think and how you would make it better.

Sue

Bilinguísmo em crianças pequenas: separando fato de ficção

Hannen Center
por Lauren Lowry (versão em português Suelen Viana)Hanen Certified SLP and Clinical Staff Writer
por Lauren Lowry (versão em português Suelen Viana)Hanen Certified SLP and Clinical Staff Writer

Nota: “bilingue” refere-se a alguém que fala duas línguas; monolíngue refere-se a alguém que fala uma língua. Versão original em inglês aqui.

Os fatos: O que sabemos sobre bilinguismo

Nosso mundo está se tornando cada vez mais multilingue. Considere algumas das seguintes estatísticas:

No Canada….

  • 11.9 % da população fala outra língua além do Inglês ou francês em casa (1). Em Toronto, 31% da população fala uma língua além do inglês ou francês em casa (2).

Nos Estados Unidos….

  • 21% das crianças em idade escolar (entre 5-17) fala uma língua além do inglês em casa (3). Este número está  Este número deverá aumentar nos próximos anos (4).

Mundialmente, estima-se que…

  • haja  mais falantes de inglês como segunda língua do que falantes nativos (5).
  • haja tantas crianças bilingues quanto há crianças monolíngues (10).

Essas tendências significam que muitas crianças estão sendo criadas como bilingues. Algumas vezes o bilinguismo é uma necessidade, uma vez que os pais da criança podem não ser fluentes na língua majoritária (dominante) falada na comunidade. Portanto, a criança pode aprender uma língua em casa e outra na escola. Mas, algumas vezes o bilinguismo é uma escolha e os pais podem desejar expor seus filhos a outra língua, mesmo se eles próprios não falarem uma segunda língua. Isso pode se dever aos muitos benefícios de ser bilingue.

 Benefícios do Bilinguismo

  • Crianças bilingues são mais capazes de focar atenção em informação relevante e ignorar distrações (7, 8). Para mais informações clique aqui para nosso artigo “Are Two Languages Better Than One?”.
  • Indivíduos bilingues tem mostrado ser mais criativos e melhores em planejamento e solução de problemas complexos do que indivíduos monolíngues (9, 10).
  • Os efeitos do envelhecimento no cérebro de adultos bilingues são menores (7).
  • Em um estudo, o início da demência foi adiada em 4 anos em indivíduos bilingues em comparação com indivíduos monolíngues com demência (10).
  • Indivíduos bilingues tem maior acesso a pessoas e recursos (9).
  • No Canada, taxas de emprego são maiores para indivíduos bilingues em francês e inglês do que para indivíduos monolíngues (7).
  • Canadenses que falam ambas as línguas oficiais tem uma renda media de aproximadamente 10% maior do que aqueles que falam apenas inglês, e 40% maior do que aqueles que falam apenas francês (7).

As vantagens cognitivas do bilinguismo (ex. com atenção, solução de problemas etc) parecem estar relacionadas com a proficiência de um indivíduo em suas línguas (10). Isso significa que quanto mais proficiente uma pessoa é em suas línguas, mais ela se beneficiará (cognitivamente) de seu bilinguismo.

Como crianças aprendem mais de uma língua

A aquisição bilingue pode acontecer em uma de duas maneiras:

  1. Aquisição simultânea ocorre quando uma criança é criada bilingue desde o nascimento, ou quando a segunda língua é introduzida antes dos três anos de idade (10). Crianças que aprendem duas línguas ao mesmo tempo passam pelos mesmo estágios de desenvolvimento que as crianças que aprendem apenas uma língua. Enquanto crianças bilingues podem começar falar um pouco mais tarde que crianças monolíngues, elas ainda começam a falar dentro do normal (11). Desde o início do aprendizado linguístico, bilingues simultâneos parecem adquirir duas línguas separadas (10). Logo no início, eles são capazes de diferenciar suas duas línguas e tem mostrado mudar de línguas de acordo com seus interlocutores (ex. falam francês a pais falantes de francês, depois mudam para inglês com um dos pais falantes de inglês) (12,13)
  2. Aquisição sequencial ocorre quando a segunda língua é introduzida depois que a primeira língua está bem estabelecida (geralmente depois dos três anos de idade). As crianças podem experimentar a aquisição sequencial se elas imigrarem para um país onde uma língua diferente é falada. O aprendizado sequencial pode também ocorrer se a criança fala exclusivamente sua língua herdada em casa até começar a escola, quando a instrução é oferecida em uma língua diferente.

Uma crianças que adquire uma segunda língua nessas condições geralmente experimenta o seguinte: (10)

  • inicialmente, ela poderá usar sua língua falada em casa por um breve período.
  • Ela pode passar por um período ‘silencioso’ ou ‘não-verbal’ quando ela for exposta pela primeira vez à segunda língua. Isso pode durar desde uma semana até muitos meses, e é muito provavelmente um tempo em que a criança constrói seu entendimento da língua (14). Crianças mais jovens usualmente permanecem nessa fase por mais tempo que crianças mais velhas. As crianças podem contar com gestos nesse período e usar poucas palavras na segunda língua.
  • Ela vai começar usar frases curtas ou imitativas. A criança pode usar rótulos de uma palavra ou memorizar frases como “Não sei” ou “O que é isso?”. Essas sentenças não são constructos do vocabulário da própria criança ou conhecimento da língua. São simplesmente frases que ela tem escutado e memorizado.
  • Finalmente, ela vai começar a produzir suas próprias frases. Essas frases não são inteiramente memorizadas e incorporam alguns de seus vocabulários aprendidos recentemente. A criança pode usar uma “formula” no início quando estiver construindo sentenças e inserir suas próprias palavras em uma frase comum como “Eu quero…” ou “Eu faço…”. Com o tempo, a criança se torna mais e mais fluente, mas continua a fazer erros gramaticais ou produzir sentenças que soam abreviadas porque lhe faltam algumas regras gramaticais (ex. *“Eu não fazi isso” ao invés de “eu não fiz isso”). Alguns dos erros que a criança faz nesse estágio são devidos à influência de sua primeira língua. Mas muitos erros são os mesmo erros que crianças monolíngues fazem quando elas aprendem aquela língua.

Ficção: Alguns mitos sobre o bilinguismo

#1. Bilinguismo causa atraso linguístico.

FALSO. Enquanto o vocabulário de uma criança bilíngue em cada língua individual pode ser menor que a media, seu vocabulário total (de ambas as línguas) será pelo menos do mesmo tamanho que uma criança monolíngue (10, 15). Crianças bilingues podem dizer suas primeiras palavras um pouco depois que crianças monolíngues, mais ainda dentro da média normal (entre 8-15 meses) (11). E quando crianças bilingues começam a produzir sentenças curtas, elas desenvolvem a gramática pelos mesmos padrões e linhas de tempo que crianças aprendendo uma língua (5). Bilinguismo por si só não causa atraso linguístico (10). Uma criança bilingue que está demonstrando atraso significante no marco da linguagem pode ter um distúrbio da linguagem e deve ser vista por um fonoaudiólogo.

#2. Quando as crianças misturam suas línguas isso significa que elas estão confusas e tendo problemas ao se tornarem bilingues.  

FALSO. Quando as crianças usam ambas as línguas dentro de uma mesma sentença ou conversa, acontece o que se conhece como “mistura de códigos” ou “mudança de códigos”. Exemplos de mistura de códigos de inglês-francês: “big bobo” (“bruise” or “cut”) ou “je veux aller manger tomato” (“I want to go eat..”) (10). Os pais algumas vezes se preocupam que essa mistura seja um sinal de atraso linguístico ou confusão. Entretanto, a mistura de códigos é uma parte natural do bilinguismo (17). Adultos bilingues proficientes misturam códigos quando eles conversam com outros bilingues e deve-se esperar que crianças bilingues misturem códigos quando falam com outros bilingues (5).     Muitos pesquisadores vêem a mudança de código com um sinal de proficiência bilingue. Por exemplo, crianças bilingues ajustam a quantidade de mudança de código que usam para se adaptar ao seu novo parceiro de conversa (alguém com quem nunca se encontraram antes que também faz mudança de código) (5).  Sugere-se também que crianças fazem mudança de código quando elas conhecem a palavra em uma língua mas não em outra. (13). Além disso, algumas vezes a mudança de código é usada para enfatizar alguma coisa, expressar emoção, ou para destacar o que outra pessoa disse em outra língua. Por exemplo, “ “Y luego él dijo STOP” (espanhol misturado com inglês: “E então ele disse STOP!”) (10). Portanto, a mudança de código é natural e deveria ser esperada de uma criança bilingue.

 #3. Uma pessoa não é verdadeiramente bilingue a menos que seja proficiente em ambas as línguas.

FALSO. É raro encontrar um indivíduo que é igualmente proficiente em ambas as línguas. (16). A maioria dos bilingues tem uma ‘língua dominante’, a língua de maior proficiência. A língua dominante é frequentemente influenciada pela língua majoritária da sociedade na qual o indivíduo vive (6). A língua dominante de um indivíduo pode mudar com idade, circunstâncias, educação, rede social, emprego e muitos outros fatores (16).

#4. Um individuo deve aprender uma segunda língua quando criança para se tornar bilingue.

FALSO. Existe uma teoria chamada “Período Crítico” que sugere que há uma janela de tempo (primeira infância) durante a qual a segunda língua e mais facilmente aprendida. Essa teoria tem levado muita gente a crer que é melhor aprender a segunda língua quando criança. Descobriu-se que crianças mais jovens conseguem uma pronúncia mais próxima da nativa do que outras crianças ou adultos aprendizes de uma segunda língua.  E eles parecem também conseguir melhores habilidades gramaticais que outros aprendizes (10).  Mas outras descobertas têm colocado a ideia de período crítico em questão. Por exemplo:

·         crianças mais velhas (em meados da escola elementar) tem mostrado ter vantagens quando aprendem o inglês acadêmico. A linguagem acadêmica se refere a vocabulário especializado, gramática e habilidade de conversação necessários para entender e aprender na escola (10). Isso é aparentemente mais fácil para crianças mais velhas porque elas aprendem a segunda língua com habilidades cognitivas mais avançadas que crianças mais jovens, e com mais experiência em escola e letramento (10).

·         crianças mais velhas e adultos parecem ter vantagens quando começam a aprender vocabulário e gramática (10, 16, 18).

Portanto, ao passo que crianças mais jovens parecem se tornar mais como falantes nativos a longo prazo, crianças mais velhas podem pegar vocabulário, gramática e linguagem acadêmica mais facilmente na fase inicial do aprendizado linguístico.

#5. Os pais devem adotar a abordagem ‘um pai uma língua’ quando expõem seus filhos a duas línguas.

FALSO. Alguns pais podem adotar essa abordagem ‘um pai uma língua’ onde cada pai fala uma língua diferente para a criança. Enquanto isso é uma opção para criar uma criança bilingue, não há evidência que sugira que esse seja o único ou o melhor meio de criar uma criança bilingue, ou que isso reduza a mistura de códigos (10). Os pais não devem se preocupar se ambos falam suas línguas nativas ou se eles misturam línguas com seus filhos (19), uma vez que se reconhece que as crianças vão misturas suas línguas independentemente da abordagem de seus pais (10). Muitas abordagens podem levar ao bilinguismo. Os pais devem falar com seus filhos de uma maneira que seja natural e confortável para eles.

#6. Se você quer que seu filho fale a língua majoritária, você deve parar de falar a língua de casa com a criança.

FALSO. Alguns pais tentam falar a língua da maioria ao seu filho porque querem que seu filho aprenda essa língua, mesmo se eles mesmos não sejam fluentes na língua da maioria. Isso pode significar que conversas e interações não sejam naturais ou confortáveis entre pai e filho. Não há evidências de que o uso frequente da segunda língua em casa seja essencial para que uma criança aprenda uma segunda língua (10). Além disso, sem o conhecimento da língua materna de uma família, a criança pode ficar isolada dos membros da família que falam apenas a língua materna. Pesquisas mostram que as crianças que têm uma base sólida em sua língua natal mais facilmente aprendem uma segunda língua. As crianças também estão em grande risco de perder a sua língua natal, se não for usada continuamente em casa

Como apoiar sua criança bilíngue

Há muitas formas de apoiar o bilinguismo de uma criança:

  • Faça o que for confortável para você e sua família. Não tente falar uma língua com sua criança se você não se sente confortável ou fluente nesta língua.
  • Não se preocupe se sua criança mistura as duas línguas. Isso é uma parte normal de se tornar bilingue. Dê a suas crianças muitas oportunidade de ouvir, falar, brincar e interagir na sua língua maternal.
  • Se você achar que seu filho ou filha tem algum atraso linguístico, consulto um fonoaudiólogo para que obtenha conselhos sobre a melhor maneira de ajuda-lo/a a aprender mais de uma língua.
Referências (texto original em inglês)

1.     Statistics Canada (2007). 2006 Census: Immigration, citizenship, language, mobility and migration.  Available online: http://www.statcan.gc.ca/daily-quotidien/071204/dq071204a-eng.htm

2.     Toronto.ca. Toronto’s Racial Diversity. Available online: http://www.toronto.ca/toronto_facts/diversity.htm

3.     U.S. Department of Education, National Center for Education Statistics. Available online: http://nces.ed.gov/fastfacts/display.asp?id=96

4.     American Speech Language Hearing Association. The Advantages of Being Bilingual. Available online: http://www.asha.org/about/news/tipsheets/bilingual.htm

5.     Genesee, F. H. (2009). Early childhood bilingualism: Perils and possibilities. Journal of Applied Research on Learning, 2 (Special Issue), Article 2, pp. 1-21.

6.     Paradis, J. (2010). The interface between bilingual development and specific language impairment. Applied Psycholinguistics, 31, 227-252.

7.     Canadian Council on Learning (2008). Parlez-vous français? The advantages of bilingualism in Canada. Available online: http://www.ccl-cca.ca/pdfs/LessonsInLearning/Oct-16-08-The-advantages-of-bilingualism.pdf

8.     Poulin-Dubois, D., Blaye, A., Coutya, J & Bialystok, E. (2011). The effects of bilingualism on toddlers’ executive functioning. Journal of Experimental Child Psychology. 108 (3), 567-579

9.     Center for Applied Linguistics. Benefits of being bilingual. Available online: http://www.cal.org/earlylang/benefits/marcos.html

10.   Paradis, J., Genesee, F., & Crago, M. (2011). Dual Language Development and Disorders: A handbook on bilingualism & second language learning. Baltimore, MD: Paul H. Brookes Publishing.

11.   Meisel, J. (2004). The Bilingual Child. In T. Bhatia & W. Ritchie (Eds.), The Handbook of Bilingualism. pp 91-113. Blackwell Publishing Ltd.

12.   Genesee, F. (2009). Early Childhood Bilingualism: Perils and Possibilities. Journal of Applied Research in Learning, 2 (Special Issue), 2, 1-21.

13.   Genesee, F., & Nicoladis, E. (2006). Bilingual acquisition. In E. Hoff & M. Shatz (eds.), Handbook of Language Development. pp. 324-342. Oxford, Eng.: Blackwell.

14.   Tabors, P. (1997). One Child, Two Languages. Paul H Brookes Publishing.

15.   Pearson, B.Z., Fernandez, S.C., Lewedeg, V., & Oller, D.K. (1997). The relation of input factors to lexical learning by bilingual infants. Applied Psycholinguistics, 18, 41-58.

16.   Baker, C. & Prys Jones, S. (1998). The Encyclopedia of Bilingualism and Bilingual Education. Toronto, Ontario: Multilingual Matters Inc.

17.   Goldstein, B.  & Kohnert, K. (2005). Speech, language and hearing in developing bilingual children: Current findings and future directions. Language, Speech and Hearing Services in Schools, 36, 264-267.

18.   Flege, J.E. (1999). Age of Learning and Second Language Speech. In D. Birdsong (ed.), Second Language Acquisition and the Critical Period Hypothesis. pp. 101-131. Mahwah, NJ: Lawrence Erlbaum Associates, Inc.

19.   King, K. & Fogle, L. (2006).  Raising Bilingual Children: Common Parental Concerns and Current Research. Washington, DC: Center for Applied Linguistics. Retrieved October 24, 2011 from http://www.cal.org/resources/digest/digest_pdfs/RaiseBilingChildi.pdf

© Hanen Early language Program (Hanen Programa de Linguagem Precoce), 2016.
Este artigo não pode ser copiado ou reproduzido sem a permissão escrita do Hanen Centre®.

Sobre “The Hanen Centre” 

Fundando em 1975, The Hanen Centre é uma organização não lucrativa de caridade canadense com alcance global. Sua missão é prover pais, cuidadores, educadores da primeira infância e fonoaudiólogos com o conhecimento e treinamento necessários para ajudar crianças a desenvolverem suas melhores habilidades linguísticas, sociais e de letramento. Isto inclui crianças que tenham ou que estejam em risco de atraso linguístico, aquelas com desafios de desenvolvimento como autismo, e aquelas que estão se  desenvolvendo normalmente. 

Para mais informações, por favor visite www.hanen.org.

The Hanen Centre é uma Organização de Caridade Registrada (#11895 2357 RR0001)

Este artigo foi originalmente postado no site Quem vai ler pra mim? O site foi extinto em 2019 e algum conteúdo migrado para este site pessoal. A formatação pode não estar conforme. Para imprimir um copia clique no link abaixo.