Mas uma vez o português!

Língua, língua, minha língua!

Chamem-na de portuguesa se quiserem,

coloquem-na todas as camisas de força que puderem,

enquanto me houver liberdade,

farei dela entidade,

que sai da boca babando, gritando, chorando, gargalhando

que vai aos textos cantando, pintando, maquiando

Afinal de conta a língua é de quem fala,

danem-se o Estado e os quartéias gramáticais.

Visto nela a camisa que quiser

ponho fé no meu bom gosto.

ainda que isso cause disgosto

Sou linguísta não sou nazista!!