That’s not my dinosaur – English for kids.

Usborne has published a series of books called That’s not my … My daughter won That’s not my dinosaur and I have used it for our one-to-one English classes time. There is a lot we can do with it as teachers of English or simply as parents exposing English to kids through reading. I came up with some of the ideas below and tested with my three-year-old girl. She loves it.

That’s not my dinosaur!

Usborne has published a series of books called That’s not my … My daughter won That’s not my dinosaur and I have used it for our one-to-one English classes time. There is a lot we can do with it as teachers of English or simply as parents exposing English to kids through reading. I came up with some of the ideas below and tested with my three-year-old girl. She loves it.

If you are in France, you can buy it here.

There they go, the ideas. I adapted my one-to-one moments to possible groups (which I don’t have now, but I followed my previous experiences with kids groups). Hope it works for you. Have fun!

Age : 3 to 6 (select according to your group’s age and pace)

Theme: dinosaurs

Book: That’s not my dinosaur, Usborne edition (or any other book of dinosaur which language you may explore and adapt to class. Just use my ideas as guide)

SWBEST: students will be exposed to new vocabulary (adjectives and nouns) to make description and stimulated to use them in speaking, colouring, sorting activities and in games.

Target vocabulary: dinosaurs’s names; parts of dino’s body – tail, head, teeth, flippers, horns, spines; description adjectives – big, small, soft, rough, slippery, bumpy, and fuzzy.

Recycled vocabulary: big , small, number 1 to 10 and colors.

Time: meetings of one hour.

The Plan

Material: book, colouring papers, crayons, glue, modelling clay, music, some dinosaurs (of any kind and different sizes and material), smart board and internet connection in case you chose the connected activities.

Meeting 1 – name the dinosaurs

I’ll post the others in the following days. They are 6 in total.

Pre-reading: Put the dinosaurs in a  soft bag before coming in. Organize kids in a circle sitting on the floor (if possible). Ask [them to touch your bag and say what you have there. They may not put their hands inside. Let them guess. React to their guesses! After that, you let them put their hands in the bag and guess again. While they touch (one kid after another) ask them if the thing they touch is nice to touch or not. Ask students to close their eyes. Take the Dino out of the bag and put in the middle of the circle. Learners open their eyes. What was in the bag? – you ask. Learners say: a dinosaur. Then you praise those who first guessed, if any. 

Reading: Get the book and bring learners close to you. Tell them they are going to read the book with you. Read the book. Let them follow your fingers while listening to you. Let them touch the book to feel it (it is a touchy-feely book). Then, when you finish it, open the pages and ask them to answer some question about the book.

Post-reading: these questions are supposed to be asked and answered by the teacher together with learners. It is just perfect if any learner is able to answer without any help. But they are being asked to recycle language they already know (like colors, big, small) and to be exposed to language they may not know yet (the target language). So, there is no big problem if they do not say much at this point. Learners answer by pointing or touching or speaking. It is time for teacher to call attention to all details concerning the target language. It’s input time.

We just have to keep in mind that kids do not keep long in the same activity. 5 minutes is already too much.

Example of questions:

  1. Wow. Look at this dinosaur. Is it big? This dinosaur is really big. What color is it? Where is the tail of the dinosaur? 
  2. What color Is this dinosaur? Where’s its mouth? Where are tits teeth?
  3. What color is this dinosaur? Does it have legs? How many?
  4. What color is this dinosaur? Where is its head? What is on its head? 
  5. Does it have horns? How many?
  6. What color is this dinosaur? Does it have spines? What color are the spines? 

Follow-up ( FU)

The follow up activities may vary according to groups pace and age. And it is not a good idea to choose more than one target language group per meeting.

FU 1 – name the dinosaur (names are big and difficult even to us but it is fun having kids trying to say them. I use the first part of their names only to begin. Brachio, Ptero, Stego…

  • PPT to be used/adapted in smartboard: dinosaurs (send me an email and you will get it)
  • Puzzle : dinosaur (get a dino printed image. Cut it and give to kids so they can make the puzzle)
  • Sorting: circle the T-rex dinosaurs only

FU 2

Dancing chairs 

  • 1 – Put the picture of a dinosaur under each chair. Play the song. Stop the song. Kids sit down. Kids get the dino under the desk. They have to say the name of the dino. If they do not know the dino’s name they ask for help and the others try to help. When they have all finally said it the dance continues. The challenge is not the chair, it is to say the names with no help.
  • 2 – Put the dinos under their desk. Play the song. They walk and dance around the chairs. Stop the song. Kids sit. You call a dinosaur. They get the dino under their desk. The one who got the dino you called gets a stick to show he is a dinosaur expert. 

Dancing corners

Put one item related to the target language that was previously taught in different places at your teaching space (classroom, garden, hall, playroom). Put a song. Kids dance. Stop the song. You say: I see a T-rex somewhere. Kids run to the corner where there is a T-rex and they say ‘T-rex’. You praise and play the song again. Stop the song and keep it going on and on and stop the game when you notice they are getting too much of it.


 *I don’ use SWBAT because my experience says that teachers expose learners to new items and give them opportunities to use them in different situations. Learners do not usually leave our time together being able to do what we expected them to (despite our efforts). However, having been exposed and given the practice opportunities will give them some input to the target language to the point when – maybe some days after exposure – they will be able to use them naturally.  This is why I prefer to say that they ‘will be exposed and stimulated’ instead of ‘will be able to’. 

 **Sometimes mixing L1 (language 1) and L2 (language 2) is not a big problem as long as you keep it mostly in L2 and if L1 is used to make things quickly clear when trouble is big. This helps learners build confidence with the new language.

PS. Found grammar mistakes or typos? Please let me know. Thank you!

Apps ou jogos e brinquedos educacionais?

O que pode ser mais educacional: uma criança brincando com legos, quebra-cabeças, jogos de imitação, pintura ou massinhas no chão de sua casa ou uma criança sentada no sofá jogando diversos jogos educacionais com a simulação de todas as atividades antes citadas, sem interrupção? A resposta é sua. As considerações são nossas.

educação é hoje o grande negócio. Não necessariamente o seu, mas de diversas empresas que se dedicam a criar e vender aplicativos e jogos educacionais.

Desde os anos 70 quando a Nokia primeiro trouxe aquele joguinho do snake para nossas vidas que a história dos apps vem evoluindo. Já os nossos jogos tradicionais, de tabuleiro, quebra-cabeças, memória, imitação…esses existem há mais tempo certamente e também evoluíram; não com a mesma sorte dos eletrônicos. A grande sacada dessa evolução toda com toda certeza foi a descoberta e valorização do potencial educacional desses modelos e ainda do ganho que se podia fazer com esses nichos.

Aplicativos educacionais

lista e resenha

apps educacionais ou jogos tradicionais?Antes de mais nada é preciso lembrar e levar muito a sério a indicação da comunidade pediátrica de que antes dos dois anos de idade a melhor forma de uma criança se desenvolver é através do contato e das interações humanas e com a natureza. Portanto se você estiver oferecendo celular ou tablete para seu bebê: pare, pondere, mude. Espere até os dois anos pelo menos. Depois dos três seria o ideal e ainda assim para não passar mais de uma hora por dia.

  1. BIMI BOO – esta marca oferece uma série de apps educacionais para crianças de 2 a 4 anos. Você pode adquirir das lojas apple, google play e ainda amazon.com . É compatível com todos os aparelhos e você baixa uma versão gratuita de cada jogo que vem com três a quatro jogos desbloqueados com outros tantos para desbloquear caso você decida comprar (em torno de 3 a 9 reais).
  2. STORY TOYS – essa tem os apps mais fofos do mundo também para crianças de 2+ anos de idade. Todos muito educacionais. Alguns precisam da presença dos pais para orientar os pequenos e interagir com eles, o que é bom. Vale a pena experimentar a versão gratuita. Você encontrar em todas as lojas ( apple, google play, amazon.com) e com preços de 9 reais. A minha filha adora A lagarta comilona.
  3. WOOW Inc. – jogos educativos para bebês. Esse eu só achei na apple. São muito bons também. Trabalham assim como os outros, as cores, combinações, memória, atenção…
  4. BINIBAMBINI – O mais pratico de todos. Com versão gratuita e paga bem completas para trabalhar números, cores, traços, desenhos… Apple e google play.

[expand title=”Um Pouco Mais”]Dentro de cada uma dessas marcas você vai encontrar um infinidade de jogos que podem ser interessantes para sua criança e apropriados para a idade dela. Só mantenha a calma e a dela para não criar um pequeno viciado que não vai sequer aprender a falar em tempo por conta da interação exagerada com as telas. Além disso, é uma ótima oportunidade para ensinar limites para esse tipo de atividade, estabelecendo hora e tempo de duração. Apenas pela manhã e por 30 min a 1 hora apenas. Ou 30 min pela manha mais 30 min a tarde.[/expand]

Jogos educacionais tradicionais

Lista e resenha

apps ou jogos educacionais?

Há uma série de atividades que podem ser feitas para entreter e educar seus pequenos longe das telas. Muitas delas você certamente já faz. Há exemplos disso em todas as mídias, facebook, Pinterest e instagram. Entre essas atividades fáceis e de baixo custo que podemos fazer, estão aquelas que podemos comprar prontas nas lojas. Brinquedos em madeira, em pano, jogos de família, quebra-cabeças, livros, muitos livros… O equilíbrio aqui é importante. Oferecer uma variedade para manter a criança ativa cognitiva e fisicamente. São desses que vou falar aqui. Vamos há alguns apenas.

  1. Jogo educativo vogais e animais Toysterpara crianças até 2 anos esse jogo é muito legal. Eu costumo, com esse tipo de jogo em peças, colocar manta magnética para possibilitar a montagem na porta da minha geladeira ou em quadro metálico. Funciona bem e é um ótimo passa tempo educativo. Como esse de vogais há o de números e muitos outros para essa idade e outras também da Toyster.
  2. Quebra-cabeças de Dino – super formar de brincar e aprender são os quebra cabeças. Aproveite que eles são sempre uma boa forma de passar tempo junto. Principalmente e dias de chuva.
  3. Forme os pares Cores, palavras e imagens – esse é ótimo porque já apresenta a palavra escrita para criança e pode ser usado mais tarde na fase de alfabetização.
  4. Torre inteligente – esse é feito em peças de madeira e ajuda a criança a desenvolver diversas habilidades, entre elas concentração e estratégias.
  5. Aramado montanha russa – esse brinquedo é o máximo. Eu demorei a entender o que ele tinha de educativo. Mas descobri que ele pode ser usado para trabalho cores, velocidade, quantidade, números e paciência.
  6. Dobble – esse é para toda família. Fique atento à indicação de idade porque ele fica mais difícil de acordo com a idade. Até 5 jogadores e trabalha memória, vocabulário e rapidez de raciocínio. Eu tenho um de animais e minha filha de 2 anos já consegue jogar conosco. O objetivo é encontrar a imagem em comum entre as cartas. Todas as cartas tem sempre uma imagem em comum. Eu amo!
  7. Vamos reciclar – para crianças de 6+. Porém, se for um jogo compartilhado, qualquer criança pode aprender com ele. É um jogo de cartas e seleção.
  8. Meu primeiro quebra-cabeças – esse aqui é adorável. Quebra-cabeças em madeira mdf. Eu também coloquei manta magnética para minha filha montar no quadro metálico. Ficou ótimo. Falando em quebra-cabeças a RIHappy é simplesmente demais nesse assunto. Vale o clique para averiguar.
  9. Livros de adesivos – são outra coisa fantástica para habilidades motoras e aprendizado de vocabulário. Eu gosto bastante desse aqui.

Fora isso existem é claro os mais caros e ainda assim fantásticos. Ótimos para dar de presente. Eu adoraria comprar se pudesse 😆

Julia e o desafio da lebre e a tartaruga

Julia e sua mamãe, Silvane, que é colaboradora deste blog e que futuramente virá com muitos posts sobre atividades montessorianas em casa, foram convidadas pelo Quem vai ler pra mim? a brincarem um pouco com a ideia sugerida no post da fábula “A lebre e a tartaruga“.Com criatividade da Silvane, parece que foi super fácil adaptar a ideia da fábula e levar a Júlia a brincar com seu imaginário infantil e desenvolver sua coordenação motora.

Julia e sua mamãe, Silvane, que é colaboradora deste blog e que futuramente virá com muitos posts sobre atividades montessorianas em casa, foram convidadas pelo Quem vai ler pra mim? a brincarem um pouco com a ideia sugerida no post da fábula “A lebre e a tartaruga“.

Com criatividade da Silvane, parece que foi super fácil adaptar a ideia da fábula e levar a Júlia a brincar com seu imaginário infantil e desenvolver sua coordenação motora.

A atividade

A ideia era que ela usasse uma pinça para pegar as cenourinhas, mas, como no mundo infantil a regra é se divertir, e é bem isso que se deseja mesmo, ela preferiu usar sua mãozinha para alimentar o coelhinho. Quantos likes isso merece? Muitos!!

E as tartarugas?

Mais sobre isso

Para saber mais sobre as atividades desenvolvidas por Silvane e sua filhota, material utilizado e objetivos, encontre-as no instagram e no canal do youtube aí em cima.

Parabéns, Silvane! É isso aí, Júlia! Continuem nos inspirando com suas ideias de atividades. Nós amamos!

Um grande abraço e desejo de boas leituras.